Flor Dalia Vermelha

As flores do tipo dália que, na realidade, apresentam o nome científico de Dahlia sp. se encontra dentro de uma família da área da botânica chamada Asteraceae. O nome “dália” pode ter o significado “do vale”, mas, na realidade, esse nome provém da pessoa que lhe conferiu seu registro, um botânico de origem sueca e que se chamava Anders Dahl. Muito embora haja várias espécies de dálias, elas acabam formando um conjunto de flores que são chamadas apenas por dálias, seguidas de sua coloração.

A grande maioria das plantas que produzem as flores dália, independentemente de sua cor, têm a capacidade de fazer com que elas estejam sempre na situação de florescência, isto é, elas se encontram quase que durante todo o ano com as flores em seus arbustos. Isso é possível, no caso das dálias, devido ao fato de os seus órgãos aéreos permanecerem expostos de maneira anual e, por isso o nome “perene” que de “per” “ene” significa “por ano”. As dálias, de uma maneira geral, são originalmente encontradas no México, estando muito presente em comemorações nesse país e apresentando um grande significado cultural, uma vez que se trata de uma das flores mexicanas mais populares que existe.

Historicamente, quem encontrou, descobriu e começou a fazer o cultivo de dálias no México foram as populações indígenas que já habitavam o país antes da colonização, ou seja, quando ainda existiam o Império Asteca. Foi a partir do processo de colonização que essa flor acabou se popularizando em grande parte do mundo, de acordo com a situação em que se encontra atualmente. Isso só foi possível porque as dálias apresentam uma grande e admirável capacidade de se adaptarem em climas diversos, muito embora ela se estabeleça de uma maneira mais fácil e mais satisfatória em climas do tipo tropical e suas variações, podendo chegar a um comprimento de até quase um metro e meio de altura, quando em suas situações ideais.

No Brasil essas flores foram trazidas assim como a grande maioria das flores estrangeiras, a partir da vinda dos holandeses para cá. Assim como nos demais lugares para onde foram levadas com imigrantes, se adaptaram de maneira satisfatória. Aqui, elas se apresentam em uma quantidade de quase cerca de três mil tipos diferentes, sendo que algumas delas são inclusive híbridas. Dessa maneira, atualmente existem diversos tipos de dálias, sendo de cores, formas e tamanhos diversos, bem como diversas características de cultivo e de capacidades de adaptação a climas e a solos diferentes. Apesar de haver essa grande variação, cientificamente há cerca de quarenta espécies aceitas, apenas.

Essas flores são extremamente admiradas devido à sua beleza e delicadeza. Em alguns lugares, inclusive, as dálias são conhecidas como as ‘Rainhas do Jardim de Ouro”, justamente por permanecerem floridas durante ao longo de quase o ano inteiro e, portanto, acaba se destacando das demais flores em um jardim. Há países em que, assim como ocorre no México, as dálias são supervalorizadas, independentemente de sua coloração, como no Japão, por exemplo, onde ela é bastante apreciada para ser dada de presente em uma data especial.

Culturalmente, a dália branca, por exemplo, é muito dada a casais, simbolizando uma demonstração de desejo de paz, amor e de boa sorte à união que está se formando ou se renovando, como em aniversários de casamento ou renovação de votos, por exemplo. Isso, em algumas culturas, é realizado principalmente quando esse casal completa quatorze anos de união. Já as dálias vermelhas têm um significado um pouco mais interessante. Isso porque a cor vermelha está muito relacionada à paixão, à uma relação avassaladora, a algo que apresente muita e extrema intensidade, por se tratar de uma cor quente.

A dália vermelha, de maneira específica, está relacionada aos “olhos abrasadores”, num sentido de “olhos vivos”, o que pode significar a transmissão de um sentimento intenso que permanecia escondido, mas que está sendo insinuado, isto é, como se fosse uma paixão insinuante. A dália vermelha também está relacionada à transmissão de boas e intensas energias. Isso pode ser traduzido por uma transmissão de força a quem precisa, por exemplo, além de alegrar o ambiente pela cor chamativa.

Para a realização do plantio da dália vermelha, é necessário que se escolha bem a região, principalmente porque ela se desenvolve de uma maneira melhor quando plantada em uma terra que apresente uma grande quantidade de nutrientes, ou seja, uma terra que contenha matéria orgânica em abundância, sendo que a mistura dessa matéria orgânica precisa estar penetrada em cerca de vinte ou até mesmo de trinta centímetros de profundidade, pelo menos. O adubo mais utilizado, de uma maneira geral, é o que contenha nitrogênio, fósforo e potássio, ou o mais comumente conhecido como NPK. A proporção ideal é que seja uma relação de cerca de trinta gramas desse tipo de adubo, o que equivale a aproximadamente uma colher de sopa de adubo, sendo distribuídos em aproximadamente um metro quadrado de canteiro de plantação.

Caso a preferência seja por um adubo natural, essa proporção citada de adubo NPK pode ser substituída por cerca de cento e cinquenta gramas de esterco curtido ou de húmus. Essa quantidade equivale a aproximadamente um copo cheio, tanto de esterco quanto de húmus. Esse processo deve ser feito cerca de uma semana que for anteceder a plantação ou mesmo o transporte da planta de um vaso para o chão. Quanto à frequência de irrigação, ela pode ser realizada uma vez ao dia, sendo que a planta se adequa melhor à uma quantidade moderada de água, de preferência na parte da manhã do dia ou no fim da tarde, ao pôr do sol, por exemplo.

Dessa maneira, a germinação pode ocorrer em um período que varia entre cinco e até dez dias, aproximadamente, dependendo das condições do solo, umidade e temperatura do ambiente em que for plantada. Um benefício do plantio da dália vermelha é que ela pode muito bem ser plantada juntamente com outras plantas perenes ou com plantas anuais, lidando bem e se adaptando de maneira satisfatória ao ser misturada com outros tipos de flores.

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Naturais

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *