Vitória Régia

Dotada de uma beleza peculiar e envolta em mistério, a Vitória Régia, é uma planta que faz parte da família das Nymphaeaceae. Típica da Amazônia, essa planta aquática, pode ser conhecida por muitos nomes populares como forno-de-jacaré, forno-de-jaçanã, irupé entre outros. A planta tem um grande valor para a cultura afro-brasileira sendo que as suas folhas são utilizadas para a realização de rituais.

Conhecendo Melhor a Vitória Régia

A parte circular da planta que possui bordas bem delineadas e que flutua sobre as águas é a folha da Vitória Régia que pode ter até 2,5 metros de diâmetros e aguentar a carga de até 40 kg, desde que estejam bem distribuídos. Devido ao desenvolvimento de técnicas de adubação e uso de hormônios se tornou possível usar essa planta aquática no paisagismo urbano controlando o seu crescimento.

Embora a folha seja excepcional o que realmente chama a atenção na Vitória Régia é a sua bela flor. O período de floração dessa planta se estende de março a julho sendo que a abertura da flor acontece somente à noite mantendo-se aberta até a manhã do outro dia. Dentre as cores que a flor pode apresentar estão branco, rosa, roxo, lilás e amarelo. O trabalho de polinização é feito pelos besouros Cyclocephala castanea que são atraídos pelo odor expelido pela flor quando ela se abre.

Tintura para Cabelo

Uma curiosidade a respeito da Vitória Régia é que suco extraído das suas raízes é utilizado como tintura negra para cabelos pelos índios.

Por que Vitória Régia?

O batismo da planta foi feito pelo explorador alemão Robert Hermann Schomburgk, que estava numa expedição a serviço da Coroa Britânica. O nome é uma homenagem a Rainha Vitória, inclusive, foram levadas sementes de Vitória Régia para o cultivo no famoso jardim do palácio inglês.

Outros Nomes

O formato da planta lembra um forno daqueles de fazer farinha de mandioca, fato que incentiva os seus nomes populares com a palavra forno. Como a planta possui um rizoma que pode servir de alimento também é conhecida como cará-d’água’.

A Lenda da Vitória Régia

A lenda tupi-guarani da Vitória Régia conta como surgiu a planta, de acordo com os índios havia uma tribo que venerava Jaci, a Lua. As mais belas jovens dessa tribo, chamadas de cunhatãs, eram escolhidas por Jaci para se transformarem em estrelas no céu ao seu lado.

Uma dessas jovens, Naiá, tinha como grande sonho ser levada por Jaci para se tornar uma estrela mesmo tendo sido advertida pelos anciãs que isso significaria a sua morte física. Naiá não se importava em perder seu sangue e carne se pudesse brilhar no céu e então se tornou obcecada. Todas as noites ela ia até as montanhas com o objetivo de ser levada pela lua, mas nada acontecia.

Uma noite ela viu o reflexo da lua nas águas do rio e cega por seu desejo mergulhou se afogando. Jaci reconheceu o sacrifício da bela índia e decidiu que em sua homenagem a transformaria numa estrela diferente de todas as outras. Naiá se tornou então uma estrela d’água na forma de Vitória Régia cuja flor se abre a noite e pela manhã se torna rosa.

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Naturais

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Comentários

  • Adoro plantas aquáticas, são magnificas.
    Beijos.

    Sandra Rocha 28 de setembro de 2010 5:36 Responder
  • como eu faço pra mim acabar com a flor vitoria regis ela envadiu o meu poço de peixe e eu nao consigo pegar os peixes

    jorge moreira gimenes 7 de Abril de 2012 3:58 Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *