Plantas Nativas Da Mata Atlântica Adaptadas Para Jardim

Quando se fala da Mata Atlântica não há como não pensar nas plantas e nos animais ameaçados de extinção. A Mata Atlântica é ecossistema rico que se estendia por 17 estados (do Rio Grande do Sul ao Piauí, atingindo territórios centrais, como Minas Gerais), mas hoje apenas 8% de remanescentes florestais acima de 100 hectares restam em todo o país.

Decretada como “Reserva da Biosfera”, pela Unesco, e “Patrimônio Nacional”, em 1988, o bioma  de Mata atlântica oferece exemplares exuberantes de fauna e flora que podem ser aproveitados em paisagismos. As variedades de plantas devem ser compradas apenas de viveiros controlados ou de produtores regulamentados. Pois retirar exemplares da mata, é crime, e comprar de forma ilegal, pode ser considerada biopirataria.

Antes de pensar um montar um jardim com espécies nativas da Mata Atlântica você deve conhecer do que é composta a mata. Basicamente essa mata é composta por árvores altas, e muitas epífitas que são as bromélias, samambaias e orquídeas, e grande variedade de palmeiras e arbustos que são ótimas para fazer sombra. Com exceção das árvores todas as outras plantas podem ser adaptadas à vasos ou jardineiras.

Para garantir ainda pouca manutenção e pouco tempo, o ideal é ir atrás de mudas que apresentem fácil manejo. É possível fazer um jardim de médio porte com exemplares da Mata Atlântica, pois grande parte dela é de fácil adaptação em qualquer parte do território nacional.

Plantas Nativas Da Mata Atlântica Adaptadas Para Jardim

Plantas Nativas Da Mata Atlântica Adaptadas Para Jardim

Plantas Ornamentais

Podem-se encontrar plantas ornamentais na Mata Atlântica já que ela é riquíssima. Nela encontramos o gigante da floresta, o jequitibá rosa, flores roxas da quaresmeira, e até pau-brasil. Abaixo da floresta remanescente existem ainda, pequenas árvores, arbustos e palmeiras, que estão cobertos de orquídeas e bromélias.

Plantas Ornamentais

Plantas Ornamentais

É Possível Montar Um Jardim Só Com Plantas De Mata Atlântica?

É óbvio que essas plantas se adaptariam melhor se estiverem em alguma região pertencente a esse bioma, mas tudo vai depender do espaço disponível para montar o jardim.

Imagem de Amostra do You Tube

Cuidados

Como e Onde Plantar?

Com exceção das árvores que têm maior porte, todas as plantas podem ser cultivadas em jardim, até mesmo em vasos e jardineiros.

Rega

Como o bioma de Mata Atlântica fica em uma região de alta pluviosidade, suas espécies precisam ser regadas regularmente.

Solo

O solo é bastante rico em matéria orgânica, nesse caso é importante manter a terra sempre adubada. Húmus de minhoca é uma das melhores opções, mas esterco, tanto de curral quanto de aves, também é uma boa opção.

Como Cuidar?

A forma de cuidar não é muito diferente do que estamos acostumados, afinal de contas muitas vezes plantamos espécies desse bioma e nem sabemos. Todos os cuidados básicos devem ser tomados de acordo com a espécie plantada, para isso informação é essencial.

Onde Comprar Com Segurança?

É recomendado que se procure produtores certificados que podem fornecer mudas enxertadas, principalmente das árvores de grande e médio porte. Para plantas menores, é mais fácil encontrá-las na forma de mudas pequenas, em alguns lugares até em caixinhas com 15 mudas. Caso compre mudas muito pequenas, não se preocupe afinal essas plantas têm crescimento rápido e vigoroso.

Podem Ser Cultivadas Dentro De Casa?

A maioria delas pode ser cultivada dentro de casa, mas toda planta precisa de luz, nem que forem apenas algumas horas por dia, a meia sombra é o mais indicado. No caso das samambaias, filodendros, marantas e bromélias a sombra é mais indicada, enquanto que as plantas de grande porte precisam de mais sol, como as Helicônias.

Lista De Espécies Nativas Da Mata Atlântica

  •  Árvores – Guapuruvu (Shizolobium parayba), Ipê-roxo (Tabebuia heptaphylla), Jequitibá rosa (Cariniana legalis), Ipê branco (Tabebuia róseo-alba), Pau-brasil (Caesalpinia echinata), Manacá da serra (Tibouchina mutabilis), Quaresmeira (Tibouchina granulosa), Araucária (Aracucaria angustifólia).
  • Frutíferas – Goiabeira (Psidium guajava), Jabuticabeira (Myrciaria cauliflora), Pitanga (Eugenia uniflora), Ingá (Inga vera) e Maracujá (Passiflora alata).
  • Epífitas – Filodendros, orquídeas e bromélias.
  • Palmeiras – Côco (Cocos nucifera) e Jerivá (Syagrus romanzoffiana).
  • Forrações – Semânia (Seemania sylvatica), Sálvia (Salvia splendens), Falso-íris (Neomarica caerulea) e diversos tipos de marantas.
  • Outras plantas ornamentais – Peixinho (Nematanthus wettsteinii), Helicônia (Heliconia rivularis) e Helicônia-papagaio (Heliconia psittacorum), Avenca (Adiantum raddianum), Alamanda (Allamanda cathartica), Amarilis (Hippeastrum hybridum), Samambaia xaxim (Dicksonia sellowiana), Samambaia de metro (Polipodium persicifolum), Samambaia gigante do brejo (Acrostichum danaeifolium) e Guaimbê (Philodendron bipinnatifidum).

De acordo com alguns especialistas, o crescimento das árvores difere bastante de acordo com a espécie e o recipiente de cultivo. Para o Aquino, por exemplo, é ideal realizar o plantio das mudas com um grau de rustificação maior, pois elas necessitam de uma manutenção menor e uma probabilidade de morte menor também. O plantio de sementes é mais complexo, por causa do processo de dormência das sementes. Sendo assim, algumas espécies precisam de técnicas específicas para que aconteça a germinação.

Existem muitas espécies com cultura facilitada, como os Ipês, o filodendro, pau-brasil, jabuticabeira, embaúba, pitangueira, goiabeira, orquídeas, bromélias, samambaias, begônias, manacás da serra e bromélia. Várias dessas variedades são usadas no paisagismo brasileiro e não requer muitos cuidados específicos, o que dá grande vantagem adaptativa de espécies que são exóticas.

De um modo geral, não existem muitas diferenças entre os tratos cultivares de espécies ornamentais ou nativas, porém elas tendem a apresentar um maior porte, sendo assim a escolha correta da área onde será feito o jardim e o tratamento da terra são importantes. Quando cultivadas em vaso, estes devem ser resistentes o suficiente para suportar a força das raízes.

Muitos especialistas recomendam que o cultivo deva acontecer a partir do que chamamos de muda padrão, que são quando as mudas nativas produzidas em viveiros dentro de tubetes com substrato florestal e adubação adequada com fertilizantes inteligentes podem propiciar um desenvolvimento maior da parte aérea da planta com as folhas bem nutridas.

Os adubos possibilitam que as mudas rustificadas que tem um maior indica de pegamento criem resistência a pragas e doenças. E a irrigação dessas plantas tende a ser mais abundantes, já que o bioma de Mata Atlântica é mais chuvoso e têm um índice de umidade mais alta, embora cada espécies apresenta regras diferentes em relação a quantidade de água.

Imagem de Amostra do You Tube

Um comentário

  1. Pregado Srs.
    Estou montando um jardim de forracao nativa e tenho encontrado poucas espécie como :
    Envolvo, salvia, flor do guaruja,semania, quaresmeira rasteira .
    vcs teriam outras espécie com flores
    Atenciosamente
    Francisco

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>